A Associação Seringueira Porto Dias faz parte do Projeto de Assentamento Agroextrativista (PAE) do Porto Dias criado através do Decreto nº 95.577, de 23 de dezembro de 1987, com a regularização de 98 unidades agrícolas extrativistas e infraestrutura física pelo INCRA. A Comunidade Palhal, onde está sediada a Associação está localizada no município de Acrelândia, Estado do Acre, com acesso pelo km 109 da BR 364, sentido Porto Velho, acessando o Ramal do Pelé, km 23, Colocação Palhal. Apresenta uma área de 22.145 ha, sendo a última área representativa de floresta do município, atualmente vivem pouco mais de 100 famílias cadastradas junto ao INCRA como moradoras do PAE.

Certificada para a exploração de madeira florestal no ano de 2002 pelo FSC a comunidade realizou o manejo até 2015 e está agora aguardando o novo ciclo de corte. Com a preocupação de gerar renda e reduzir o desperdício de matéria-prima de origem florestal. No ano de 2016 buscaram apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente do Acre para desenvolver um projeto de reaproveitamento dos resíduos buscando agregar valor e possibilitar a reutilização de resíduos que muitas vezes ficam esquecidos na floresta, para então poder confeccionar e comercializar artefatos artesanais. 

As peças fabricadas com técnicas de entalhe em madeiras da região (angelim, muiracatiara, tauari carvão, fava de orelhinha, balsamo vermelho, roxinho, entre outras) apresentam design único e sustentável.

As gamelas foram os objetos que mais atraem os visitantes do estande da Associação Porto Dias, na Expoacre, maior feira agropecuária do Acre, realizada no mês de agosto de 2019. Assim como os demais artefatos expostos pelos integrantes

Membro da associação, Daiana Nascimento está na Expoacre pela segunda vez e já teve oportunidade de expor o trabalho da associação em evento nacional. “Para mim foi uma experiência ótima. Fiquei impressionada como agregam valor nos nossos produtos. Pude ver o valor que as pessoas dão à madeira especialmente por ser um projeto social. É um estímulo para gente vencer as dificuldades e continuar participando do projeto”, disse Daiane.